Balanceamento: como fazer?


Basicamente, existem dois tipos de balanceamento para elevadores: o balanceamento estático da cabina e o balanceamento dinâmico do sistema cabina/contrapeso.


Balanceamento Estático da Cabina

O balanceamento estático tem como objetivo garantir que a cabina esteja em equilíbrio, ou seja, que ela não incline para um dos lados, permitindo que a mesma fique alinhada com as guias em todo o percurso da caixa de corrida.

A avaliação desta condição pode ser feita colocando 40% da carga da cabina distribuídos nos quatro cantos uniformemente. Por exemplo: em uma cabina com capacidade de 1000kg, deve-se colocar 100kg em cada um dos cantos da cabina.

Para realização deste procedimento é recomendado que seja utilizado peso padrão de ferro fundido com alças para manuseio.



Antes de iniciar este procedimento, é necessário realizar o acesso ao topo da cabina, sempre levando em consideração os procedimentos de segurança.

Em seguida, deve-se remover as corrediças da parte superior da cabina fazendo com que ela fique alinhada somente pela parte inferior. Nessa condição, é possível observar se existe inclinação para esquerda, direita, para frente ou para trás, utilizando as guias como referência.

A distância entre a estrutura da armação da cabina e a guia deve ser a mesma em ambos os lados, caso isso não aconteça, é necessário que seja adicionado peso conforme a necessidade, por exemplo: se a medida do lado esquerdo está menor do que a do lado direito, significa que o lado esquerdo está “mais pesado” que o direito, portanto deve ser acrescentado peso do lado direito até que as distâncias sejam igualadas.

Quando a cabina estiver totalmente alinhada com as guias, isto é, quando as medidas entre a estrutura da armação da cabina e as guias forem equivalentes, deve-se anotar o lado onde houve a necessidade de acrescentar pesos e também qual a quantidade. Este valor deve ser acrescentado permanentemente junto à estrutura da cabina para que o sistema passe para condição definitiva de balanceamento.

Em alguns modelos de cabinas mais antigas é comum existir um compartimento apropriado para incremento de pesos para balanceamento na parte inferior da plataforma, caso não exista, é recomendado que seja providenciado um compartimento para este fim, lembrando que o projeto deste deve ser elaborado por um engenheiro mecânico, bem como emissão de ART e outras formalidades necessárias.

Em hipótese alguma deve ser acrescentado peso na parte superior da cabina de maneira permanente, procedimentos como este podem comprometer a segurança dos técnicos e também a dos usuários. Ao final de todo este processo é recomendado que seja realizada uma nova avaliação do alinhamento da cabina para garantir que as ações tomadas surtiram o efeito esperado.

A falta de um balanceamento estático adequado pode causar diversos problemas como: desgaste excessivo de peças, má qualidade na viagem, ruídos, desconforto para os usuários, dentre outros.

Balanceamento Dinâmico Cabina X Contrapeso

O balanceamento dinâmico entre a cabina e o contrapeso tem como objetivo o equilíbrio do sistema, considerando carga balanceada. Alguns fabricantes determinam essa carga como 45% da capacidade total da cabina, já outros 50%, por isso é importante obter essa informação antes de iniciar o procedimento. Para realizar a avaliação deve-se colocar a carga balanceada no interior da cabina. O cálculo deste valor é obtido através da fórmula:

Carga balanceada = (capacidade da cabina) x 0,45

Considere como exemplo uma cabina com capacidade de 1000kg:

Carga balanceada = 1000kg x 0,45 = 450kg

Portanto, para este exemplo de capacidade deve-se colocar 450kg no interior da cabina. Para realização deste procedimento também é recomendado que seja utilizado peso padrão de ferro fundido com alças para manuseio.

Após colocada a carga balanceada no interior da cabina, deve-se movimentá-la até o meio da caixa de corrida, de maneira que cabina e contrapeso fiquem alinhados. Na casa de máquinas com o elevador desligado e bloqueado, abra o freio utilizando a chave apropriada para este fim observando se a máquina movimenta-se para uma das direções, verifique o esforço necessário para movimentar manualmente o volante do motor nas direções de subida e de descida, o esforço deve ser o mesmo em ambas as direções.

Em alguns modelos de equipamentos, é possível observar se o sistema está balanceado através da leitura da corrente no display do inversor de frequência, o valor da corrente deve ser igual nas duas direções, a leitura deve ser realizada com o equipamento em movimento de extremo a extremo e no momento em que a cabina e o contrapeso se cruzarem no meio do percurso.

Para conseguir a condição ideal de balanceamento deve-se acrescentar ou retirar os pesos que estão no interior da cabina até que este seja estabelecido. Anote a quantidade de peso para que posteriormente seja acrescentado ou retido do contrapeso utilizando a seguinte regra:

Se for necessário retirar peso do interior da cabina este valor deve ser acrescentado ao contrapeso e se houver a necessidade de acrescentar peso no interior da cabina significa que este valor deve ser retirado do contrapeso. A necessidade de realizar o balanceamento do sistema é bastante comum em equipamentos recém modernizados em que são acrescentados novos itens como: acabamentos em inox, piso, operador de porta, espelho, etc.

Os principais defeitos relacionados ao sistema desbalanceado são: desnivelamento da cabina nos andares, o equipamento não consegue transportar a carga total, a cabina ultrapassa os limites finais constantemente, etc.

Lembre-se:

“Nenhum trabalho é mais importante que a sua vida. Trabalhe sempre com segurança!”

Sobre o autor



Sérgio Albertasse

Graduado em Tecnologia Eletrônica pelo Centro Universitário de Santo André. Iniciou carreira no mercado de elevadores em 1996 como técnico de manutenção e atendimento de chamados, posteriormente passou a fazer parte do departamento de operações de campo de uma multinacional do ramo. Atualmente empreende em sua própria empresa.


Contatos:

sergio.albertasse@gmail.com

seal.contato@gmail.com

9 visualizações

SINDICATOS

© 2018 por Revista Elevador Brasil