Como as construtoras podem lucrar com a consultoria de elevadores



Por Eng. Boris Risnic

Resolvi escrever este artigo depois que percebi que as construtoras só me procuram quando já estão com a corda no pescoço, cheias de processos judiciais ou ameaças dos condôminos compradores dos imóveis. Uma delas no interior de São Paulo, já estava com 19 processos judiciais pois os elevadores adquiridos de uma multinacional de bom nome, fabricados e instalados pelo fabricante, não funcionavam mais do que algumas horas, prendiam passageiros, passavam dos andares, paravam fora de nível, entre outros. Problemas já conhecidos de muitos de nós.

Outra construtora, também no interior, me chama para perícia, pois o fabricante do elevador não entregou o que prometeu no pedido de compras. Muitas outras compraram o elevador errado para o prédio, com capacidade de sobra ou de menos. Bem, tudo isto pode ser evitado, se consultado um Consultor na hora da especificação de compra do elevador, na conferência da entrega dos materiais, acompanhamento da montagem, instalação e ajustes e principalmente na hora de receber e assinar o recebimento do elevador instalado.

Por que ocorrem estes erros na especificação, na montagem e nos ajustes finais dos elevadores adquiridos de empresas idôneas e de bom nome? Vamos listar os culpados:

1. Vendedores que enganam os clientes, empurrando produtos inadequados apenas para ganhar mais comissão;

2. Empresas pequenas que tentam vender componentes que estão sobrando em seu estoque, sem atentar para o conjunto;

3. Montadores terceirizados sem treinamento ou com treinamento deficiente, e que não atentam para o prumo vertical e alinhamento das soleiras nas montagens das portas e trilhos;

4. Ajustadores que não sabem ajustar os contatos e rampas das portas. Deixam tudo desajustado e vão embora, entregando o serviço todo errado;

5. Esquecem de fazer o balanceamento cabine/contrapeso;

6. Notam que especificaram o Comando Eletrônico muito fraco e tentam compensar o erro com gambiarras e contrapesos;

7. Ligações e conexões de cabos elétricos frouxos;

8. Falta de equalização dos cabos de tração, deixando todo o peso da cabina apoiado em um só cabo de aço;

E assim vai.

Quando chego em uma obra com alguns destes problemas, é facílimo resolver, mas a má impressão causada nos clientes é permanente. Não sai nem com Cândida ou Bombril! Por isso, é mil vezes mais barato contratar um bom consultor para fazer a especificação correta baseada no tamanho e uso do edifício, através do Cálculo de Tráfego, de acordo com as Normas e Leis vigentes e exigir do fabricante que faça a proposta de venda com base no que o consultor pediu.

Na entrega do material, também é importante conferir o que veio com o que consta no pedido, evitando-se perda de tempo e detectando possíveis erros antecipadamente. Mas é na montagem e instalação que mora o maior perigo! Verificar o prumo e alinhamento das portas, o ajuste dos trilhos e rampas de portas, etc. Você deve estar pensando: “Mas, eu pago fabricante para fazer tudo isso e ele não faz?”

-A maioria dos bons fabricantes faz, mas é sempre melhor ter dupla verificação, além do fabricante, para evitar dores de cabeça posteriores e ter que reclamar para o Bispo! Na hora de assinar o recebimento, é o consultor que assina. Tranquilidade!

Atenciosamente,

Eng. Boris Risnic  CREA: 0600.366.433

Drelevador


SOBRE O AUTOR

Autor: Eng. Boris Risnic

CREA: 0600.366.433

Consultoria em Elevadores, Vistorias, Laudos Técnicos

Fones: (11) 3791-3304 ou

(11) 9 9252-6993

www.drelevador.com.br

email: brisnic@gmail.com

108 visualizações

SINDICATOS

© 2018 por Revista Elevador Brasil